You are currently viewing Proposta do DF quer garantir a atuação do ADM na gestão da saúde pública

Proposta do DF quer garantir a atuação do ADM na gestão da saúde pública

Em tempos de pandemia, a presença de um gestor profissional na área da saúde mostrou-se fundamental. Ciente dessa importância, a Comissão Especial de Análise das Propostas de Emenda à Lei Orgânica da Câmara Legislativa do Distrito Federal aprovou a Pelo 5/2019, que assegura a atuação do profissional administrador no processo de gestão dos equipamentos de saúde pública.

A proposta é de autoria do deputado Rodrigo Delmasso (MDB). A iniciativa tem o objetivo de aprimorar os serviços prestados pelo SUS à população. Segundo ele, o sistema de saúde do Brasil é enorme e, por isso, precisa de profissionais capacitados.

Apesar da proposta beneficiar somente os profissionais de Administração do Distrito Federal, o diretor de Fiscalização e Registro do Conselho Federal de Administração (CFA), Carlos Alberto Ferreira Júnior, comemora a vitória e explica que a decisão da Câmara Legislativa pode servir de referência para as demais casas legislativas do país, inclusive o Congresso Nacional.

“Essa é uma grande vitória para os Administradores. O projeto tem que seguir para outras Comissões, mas a aprovação nesta comissão específica representa um grande avanço no reconhecimento dos Administradores do país e do Distrito Federal na gestão da saúde. É entender que eles devem fazer parte obrigatoriamente nas equipes de saúde para gerir recursos, por vezes escassos”, ressaltou o administrador.

O conselheiro também parabenizou a postura dos deputados distritais envolvidos na análise da proposta. “Eles podem contar com o apoio do CFA para que o projeto continue prosseguindo e tenha as demais aprovações, para que chegue ao plenário e seja aprovado em definitivo”, disse.

Para o coordenador da Comissão Especial de Ações Parlamentares do CFA,Jorge Humberto Moreira Sampaio, o Sistema de Saúde do Brasil é um dos maiores e mais complexos sistemas de saúde pública no mundo, abrangendo tanto ações quanto serviços de saúde, contemplando a atenção primária e, também, a alta complexidade, além das urgências e emergências. “Por isso, ninguém melhor e mais capacitado que o administrador para realizar a operacionalização e também o planejamento de projetos para melhorar a entrega desses serviços”, explicou.

Além disso, Jorge Humberto disse que o administrador é essencial para produzir crescimento e sustentabilidade em um sistema combalido.

“Os avanços obtidos no Distrito Federal servirão, sem dúvida, de modelo para projetos que devem e precisam ser desenvolvidos em todo o Brasil. Afinal, saúde é uma questão de gestão”, defendeu o conselheiro do CFA.

Ana Graciele Gonçalves

Assessoria de Comunicação CFA