[ CFA ] Administração sem fronteiras em debate na Plataforma do Conhecimento

[ CFA ] Administração sem fronteiras em debate na Plataforma do Conhecimento

Projeto faz um panorama de como a ciência da Administração é aplicada em diversos países

Nesta quinta-feira, 20, o projeto Plataforma do Conhecimento promoveu, ao vivo, um debate sobre “Administração sem Fronteiras: A TGA pelo mundo”. O assunto foi amplamente discutido pelo Núcleo de Estudos da Teoria Geral da Administração do Conselho Regional de Administração da Bahia (NETGA/CRA-BA). O evento aconteceu em Salvador-BA e foi transmitido pelo CFATV.

Participaram do debate os Administradores William Reimão, Elisângela Julião, Carlena Gurgel, Sandro Pinto e Robson Vieira. Na oportunidade, eles falaram das especificidades da Teoria Geral da Administração (TGA) praticada em diversos países como Japão e Alemanha e que podem ser aproveitadas no Brasil.

Administração Chinesa – William Riamão começou falando do mercado chinês e de como é a Administração na China. Naquele país, segundo o palestrante, busca-se dar maior ênfase às redes de relacionamento, o que eles chamam de guanxi.

Na cultura chinesa, o termo guanxi significa relacionamento e serve para qualquer tipo de relação. Mas no mundo empresarial chinês é entendido como a rede de contatos e conhecimentos entre várias partes que cooperam juntas e se apoiam umas às outras.

Sendo assim, na mentalidade do empresário chinês, para ter sucesso nos negócios é preciso ter o guanxi certo. Com ele, minimiza-se os riscos e as frustrações na organização. Em outras palavras, seria uma relação entre amigos que podem contar um com outro nos bons e maus momentos.

Para exemplificar, William citou o caso do empresário chinês Li Jinyuan que, para comemorar os 20 anos da sua empresa, a Tiens Group, levou 6,4 mil dos funcionários para conhecer Paris em reconhecimento pela contribuição que cada um dá a empresa.

Administração Alemã – Dona da economia mais importante da Europa e a quarta potência econômica mundial, a Alemanha tem muito a ensinar na área da Administração. No debate, a administradora Elisângela Julião falou que o país passou por muitas mudanças políticas e econômicas motivadas por vários fatores como guerras mundiais, por exemplo.

Hoje, as empresas da Alemanha possuem um alto faturamento e uma das características dessas organizações é a co-gestão. Por meio desse modelo, funcionários, sindicatos e empresários participam, em conjunto, das decisões organizacionais. Elisângela acredita que tal sistema pode ser adotado em todo o mundo, pois “torna mais competitivo o mercado de trabalho”.

Administração Japonesa – Outro país que precisou se reinventar após a guerra foi o Japão. A terceira maior economia do mundo, o Japão foi derrotado na Segunda Guerra Mundial e teve sua economia devastada. Para se recuperar, o país investiu em tecnologia. Mas não foi só isso: os japoneses tiveram papel fundamental nessa transformação por conta da cultura.

O povo japonês conserva, até hoje, traços característicos do código de ética dos samurais que é uma norma de conduta muito rígido. Chamado de bushido, que significa “caminho do guerreiro”, este código ensina que os samurais devem ser leais, resistentes, corajosos e disciplinados. Apegados a isso, os japoneses deram a volta por cima e viu sua economia se recuperar em menos de 30 anos.

Foi no Japão que nasceu o modelo Toyotismo cujas características são, entre outras, mão-de-obra multifuncional e qualificada, sistema de flexível de mecanização e aplicação de sistema just in time que é, segundo Elisângela, “prática inovadora que consiste em não acumular estoque, produzindo somente o necessário.”.

Administração Mexicana – Em relação a outros países, o México é pequeno do ponto de vista econômico. Entretanto, possui potencial para crescer e, de acordo com Sandro Pinto, a administração naquele países possuem duas características muito fortes.

A primeira delas é o acordo coletivo de trabalho. “Isso permitiu abertura de mercado e uma das vantagens desta prática é o fato de dispensar investimentos em supervisão e controle. Ou seja, diminuiu os custos”, explica.

A outra característica é de cunho cultural. Como os mexicanos são bem religiosos, as empresas se adaptaram para oferecer aos funcionários um espaço de convivência promovendo, inclusive, eventos religiosos.

Administração Angolana – Único país do continente africano apresentado na Plataforma do Conhecimento foi a Angola. De acordo com Robson Vieira, a parte de gestão naquele país caminha a passos lentos. Há várias razões para isso, segundo o palestrante.

Uma delas é que a Angola viveu, por 27 anos, uma guerra civil. O conflito armado começou em 1975, logo após o país declarar independência de Portugal. Atualmente, o país luta para se reerguer mas esbarra na corrupção. As grandes empresas angolanas são dirigidas por parentes do presidente.

“Angola é um país rico. Tem muito diamante e o pré-sal de lá é bem mais promissor do que o do Brasil”, afirma Robson. Ele ressalta, ainda, que muitas empresas que querem investir no país estão envolvidas em casos de corrupção com é o caso da Odebrecht.

Administração Russa – A Rússia é um país com enorme riqueza intelectual. Muitos vencedores do Prêmio Nobel são daquele país que, assim como a Alemanha e o Japão, passou por muitas crises políticas. O esforço russo é de retomar esse destaque mundial.

A administração de organizações naquele país usa o “jeitinho russo” para tornar caminhos mais flexíveis. Segundo William Reimão, a Rússia consegue se adaptar com muita rapidez redirecionando os modelos de administração para a realidade russa.

Administração Francesa – Sandro Pinto também apresentou a administração francesa. Para ele, há dois pontos que chamam a atenção na gestão dos negócios daquele país. Um deles é o “Tableau de Bord” que é um sistema semelhante ao Balanced Scorecard. Para ele, o tableau de board é uma ferramenta poderosa pois consegue fazer uma análise retrospectiva e prospectiva juntando passado e futuro em uma só análise. O segundo ponto é a estatística implicativa, sistema com origem na matemática. Segundo Sandro, o Brasil tem muito que aprender com esses modelos.

Sandro é o organizador da obra “Administração sem Fronteiras” volume 1 e volume 2. Os livros apresentam com mais detalhes as especificidades da Administração de alguns países. Interessados em adquirir os dois volumes da publicação pode mandar e-mail para admsf@sandrocmpinto.com.br.

O debate sobre “Administração sem Fronteiras: A TGA pelo mundo” está disponível na íntegra no canal do CFATV no YouTube.

Sobre o projeto – A Plataforma do Conhecimento é um programa de debates transmitido ao vivo pelo canal oficial do Conselho Federal de Administração (CFA) no youtube, o CFATV (www.youtube.com/cfatvoficial). O programa é dividido em dois blocos de 30 minutos. Os primeiros 15 minutos de cada bloco são dedicados à explanação e debate do tema. Já os últimos 15 são destinados às respostas de preguntas enviadas para e-mail cfaadm@gmail.com. Desde 2009, o projeto percorre diversos estados brasileiros para transmitir, por meio de uma didática descontraída, os temas mais relevantes da Administração.

 

Ana Graciele Gonçalves

Assessoria de Imprensa CFA

Deixe uma resposta

Fechar Menu