Reformas no Estado podem recuperar a economia do Brasil

Reformas no Estado podem recuperar a economia do Brasil

É o que defende Claudio Porto, economista com presença confirmada no Fórum CFA de Gestão Pública

 

Em 2011, quando lançou o livro “2022 – Propostas para um Brasil melhor no ano do bicentenário”, o economista Claudio Porto, que é o co-organizador da obra, e outros especialistas acreditavam que o país estaria em uma maré de prosperidade em tempos atuais. Motivos não faltaram para isso: naquele ano, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a economia brasileira registrou um crescimento de 2,7%. A soma das riquezas produzidas em 2011 chegou a R$ 4,143 trilhões e o PIB per capita ficou em R$ 21.252.

Foi um crescimento surpreendente, já que o Brasil ficou bem a frente de outras nações como Estados Unidos, França e Japão. Os brasileiros viviam um momento bom e a trajetória econômica do país era reconhecida mundialmente. Entretanto, o jogo virou e a previsão de um Brasil melhor no ano do bicentenário sugerida no livro está longe de se tornar realidade.

Segundo Claudio Porto, por causa do desequilíbrio fiscal e da busca de políticas heterodoxas de desenvolvimento, o país começou a viver um desastre econômico, principalmente a partir de 2014. “Para você ter ideia, no primeiro livro que editamos o pior dos cenários que traçamos, esperávamos um crescimento médio do brasil entre 2% e 3% do PIB ao ano e, nesse período, infelizmente nós crescemos menos de -0,1%. Ou seja, uma reversão completa de expectativa por conta de políticas que foram conduzidas no sentido oposto ao que nós propúnhamos em ambos livros”, alerta Porto.

O economista é um dos palestrantes confirmados no Fórum CFA de Gestão Pública, evento que o Conselho Federal de Administração (CFA) promoverá, de 6 a 8 de junho, com o objetivo de promover um amplo debate sobre a gestão do Estado, dentro de uma linha de conexão entre “cidadão-sociedade e Estado”, tanto para superar as contingências do presente, como para construir uma plataforma para o futuro.

Na ocasião, Porto vai encerrar o Fórum justamente para falar sobre os paradigmas para um novo governo. O assunto vem em um momento oportuno, já que o Brasil realizará eleições neste ano. Para ele, o presidente eleito precisar ter coragem para enfrentar os problemas do país por meio de um projeto que seja capaz de resgatar o crescimento econômico e que seja capaz de atender as demandas da sociedade. Além disso, ele é categórico ao defender um Estado no qual “as lideranças políticas façam um pacto de tolerância zero com a corrupção, com o jeitinho, com o improviso e com o desperdício de recursos”, defende.

Reformas em pauta – Na avaliação de Claudio Porto, o Estado brasileiro está esgotado, pois ele é muito grande e caro, sustenta privilégios inaceitáveis e está ficando obsoleto. Para que o Brasil volte a trilhar o caminho de crescimento, ele acredita que é preciso promover a reforma e a reinvenção do estado.

Sua opinião é baseada em estudos como o do Banco Mundial, que revela que o Brasil tem, hoje, um gasto maior que a média dos países emergentes. “A reforma do estado é tão necessária não só para que o país volte a ter capacidade de crescer mas também é necessário para que o estado retome o papel de ser um indutor na redução da desigualdade”, diz.

Uma das reformas que necessitam ser retomada é a reforma da previdência. De acordo com Claudio, se ela não voltar a ser discutida, o Brasil vai quebrar – situação bem semelhante ao que aconteceu na Grécia.

Futuro – Para ter chances de se tornar um país competitivo e próspero, o Brasil precisa ser capaz de crescer e ser um país menos desigual. Caso isso não aconteça, as prospecções para o futuro não são nada promissoras. “Nos últimos 30 anos nós ficamos pra trás. Nós crescemos menos que o mundo e se nós continuarmos nessa toada, somente daqui a 100 anos nós alcançaremos o padrão de bem estar de Portugal hoje. Isso é uma situação inaceitável para nós que temos uma responsabilidade com esse país”, alertou Claudio Porto.

Fórum CFA de Gestão Pública – Promovido pelo Conselho Federal de Administração, o Fórum CFA de Gestão Pública (Fogesp) reunirá grandes nomes para debater “Estratégias transformadoras nas relações entre sociedade e o Estado” com o objetivo de promover um debate sobre o assunto e estimular uma transformação na gestão pública brasileira.

O evento será voltado para gestores públicos de todas as esferas – federal, estadual e municipal – que estão ocupando cargos estratégicos, gerenciais ou operacionais, profissionais de Administração, profissionais de outras áreas e estudantes.

Interessados em participar do Fórum CFA de Gestão Pública podem se inscrever no site www.fogesp.org.br.

 

SERVIÇO

 

Fórum CFA de Gestão Pública

Quando: De 6 a 8 de junho de 2018

Local: Centro de Eventos e Convenções Brasil 21, em Brasília-DF

Realização: Conselho Federal de Administração

Mais informações no site http://www.fogesp.org.br

 

Assessoria de Comunicação CFA

Fechar Menu