Nosso objetivo é sempre selecionar as melhores pessoas

Nosso objetivo é sempre selecionar as melhores pessoas

Abrir um processo seletivo ou aproveitar bancos de currículos internos ou disponíveis na internet? Foi sanando essa dúvida que a coordenadora-geral de Gestão de Pessoas do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Danyelle Barreto, começou a sua resposta. Segundo ela, atualmente, os processos seletivos ainda são uma opção na Administração Pública Federal. Apesar de não poderem ser utilizados indiscriminadamente e nem para todos os cargos, a prática ainda é bastante usual.

Quanto mais estratégico o cargo, mais complexo e planejado é o processo de seleção. Danyelle explicou, passo a passo, como uma boa seleção é construída o que deve considerar. Entre esses atributos, estão as soft skills – características comportamentais e pessoais que têm chamado cada vez mais a atenção dos recrutadores.

“O tempo de duração de um processo é um pouco longo, o que pode gerar uma ansiedade e uma expectativa tanto em quem quer preencher a vaga, quanto em quem quer ocupá-la”, disse a coordenadora ao reiterar a importância da devolutiva a todos os candidatos.  

Não é realidade ainda no setor público ferramentas de inteligência artificial que otimizem o trabalho, como a leitura de currículos. No entanto, há evolução do modelo brasileiro que tem trabalhado mais com meritocracia e exigência de pré-requisitos técnicos básicos para o preenchimento de cargos de Direção e Assessoramento Superior (DAS), que podem ser ocupados por qualquer servidor ou pessoa externa ao serviço público.

Danyelle lembrou ainda que uma forte tendência é a valorização da chamada prata da casa. “Descobrir talentos que estão escondidos, pessoas que, de repente, têm uma competência técnica vasta, conhecem o assunto e as especificidades do órgão, mas que nunca tiveram oportunidades ou coragem de se candidatar para um cargo. Nesse momento, eles se lançam e são vistos, ouvidos e eventualmente escolhidos para ocuparem os cargos”, explica.

Assista à entrevista completa aqui.

Ouça também o podcast que a coordenadora gravou na Rádio ADM.

Assessoria de Comunicação