Gestão de risco é a terceira linha de defesa da Gestão Pública

Gestão de risco é a terceira linha de defesa da Gestão Pública

O plenário do Conselho Federal de Administração ficou lotado na última quinta-feira para o Talk Show de Gestão de Risco na Administração Pública. O evento foi realizado pelo CFA, em parceria com a Rádio CBN.

Para debater o assunto, Jorge Hage, mestre em administração pública e ex-ministro-chefe da Controladoria Geral da União (CGU); Paulo Grazziotin, auditor federal de Finanças e Controle da CGU e criador do Gestão em Gotas e Paulo Henrique De Souza Bermejo, professor e orientador da pós-graduação em Administração da Universidade de Brasília (UnB) foram os convidados.

O presidente do CFA, Mauro Kreuz, fez a abertura e afirmou que o mundo exige cada vez mais profissionalismo e o uso de técnicas de administração e de compliance. “Administração pública está cada vez mais flagelada. Temos a noção de tudo que é público é ruim e de que tudo que é privado é bom, mas essa é uma visão errada”, disse.

Kreuz ainda reforçou que o Brasil não tem projeto estratégico de nação, falou da descontinuidade de projetos e da inversão de prioridades e de gestão de governança equivocada.

O debate foi mediado pelo jornalista e âncora do CBN Brasília, Brunno Melo, que interagiu com as perguntas da plateia e levantou assuntos como as tragédias de Mariana, Brumadinho e o vazamento de óleo no litoral brasileiro, considerados como casos nos quais houve erro de gestão de risco.

De acordo com o ministro Hage, Gestão de Risco é uma metodologia refinada para Planejamento Estratégico que identifica diferentes espécies de risco, tanto para empresas quanto para processos. Além de ser uma eficiente forma de combate à corrupção.

O objetivo da área é a preservação das instituições públicas. “Não é um gesto a mais, mas, sim, um grau de gestão para melhorar a entrega à sociedade”, afirmou Bermejo.

Grazziotin, por sua vez, lembrou que é importante fazer com que as pessoas vejam o aspecto transversal do desenvolvimento estratégico da política organizacional. “É preciso promover grande debate no seio da organização, fazer as pessoas partícipes porque, assim, perceberão que são parte de algo maior”, ponderou.

A íntegra do Talk Show você pode conferir aqui.

 

Assessoria de Comunicação CFA.