Administradoras discutem ações para promover o protagonismo das mulheres

Administradoras discutem ações para promover o protagonismo das mulheres

As profissionais de Administração do Sistema Conselhos Federal e Regionais de Administração (CFA/CRAs) se reuniram nesta quarta-feira, 1º de julho, para compartilhar experiências e planejar futuras ações do CRA Mulher. O evento foi virtual e promoveu o encontro de lideranças femininas dos Regionais de todo o Brasil.

Único homem presente na reunião, o diretor da Câmara de Relações Internacionais e Eventos do CFA (CRIE), Gilmar Camargo, destacou a importância do protagonismo das mulheres no Sistema CFA/CRAs e ressaltou que, em razão da pandemia e de limitações orçamentárias, muitos projetos da autarquia foram pausados, entre eles o Encontro Brasileiro de Administração (Enbra). “Nossa intenção era realizar o terceiro Fórum das Profissionais de Administração paralelo ao Enbra. Ele aconteceria em outubro deste ano, mas acatamos um pedido do CRA-BA e adiamos o Encontro para 2021”, explicou.

Ele ressaltou, ainda, que a CRIE realizou várias reuniões antes da pandemia para reforçar, entre os CRAs, a importância de se atentar para as propostas que foram apresentadas nos Fóruns das Profissionais de Administração já realizados. A conselheira federal pelo estado do Rio Grande do Norte, Ione Salem, fez uma breve retrospectiva dos eventos voltados para as profissionais de Administração e destacou que, durante o XVI Fórum Internacional de Administração, as mulheres do Sistema CFA/CRAs se reuniram para a segunda fase do II Fórum das Profissionais de Administração.

Nesse encontro, realizado em 2019, Ione comentou que elas elaboram a “Carta de Palmas”, que contempla as ações que seriam realizadas em 2020. Das 47 sugestões, elas priorizaram as que estão voltadas para o empreendedorismo, o mercado de trabalho e o empoderamento da mulher. Uma das propostas é a criação do “CRA Mulher” em todos sos Regionais do país.

Experiências positivas

Durante a reunião, elas compartilharam as ações que estão desenvolvendo em seus estados para promover o protagonismo feminino por meio do “CRA Mulher”. A administradora e presidente do CRA-BA, falou da experiência na Bahia e ressaltou que o próximo Fórum acontecerá na mesma semana do Enbra, mas fora da programação do Encontro, para que todas possam aproveitar, ao máximo, o evento voltado para as profissionais de Administração.

Tânia ressaltou, ainda, que desde que foi presidente do CRA-BA pela primeira vez, há dez anos, ela buscou trazer a mulher para o protagonismo. “Fiz isso sem criar grupos e concorrências desnecessárias, mas trabalhando em harmonia com os homens, pois eles são nossos parceiros. Na  minha cabeça, somos todos iguais”, destacou Tânia.

No Ceará, a vice-presidente do CRA-CE, Rita Silveira, falou que o CRA Mulher foi criado em 2017 e, desde então, já realizou duas edições do Fórum Estadual de Mulheres da Administração (Fema). Além desse evento, elas apoiam outras ações pela mulher administradora naquele estado.

O CRA Mulher no Rio Grande do Sul também começou a ser estruturado em 2017 e, após a participação das administradoras do CRA-RS no Fórum que o CFA realizou em Brasília, no ano passado, elas voltaram para Porto Alegre com muita vontade de fazer funcionar o comitê feminino no estado. Sem orçamento, a conselheira regional do CRA-RS, Helenice Rodrigues, disse que elas decidiram apoiar institucionalmente os eventos voltados para o público feminino, principalmente aqueles focados no empreendedorismo e na inclusão de mulheres na área de inovação e startups. “Em agosto terá o primeiro Seminário Coletivos Femininos do Brasil, o Ser Mulher, e nós estaremos lá. Vai ser muito importante a participação neste evento”, afirmou, lembrando que o seminário será 100% on-line, com o intuito de ajudar o público feminino forte a aumentar os conhecimentos em diversas áreas como pessoal, emocional, espiritual e profissional.

A coordenadora da Comissão Especial da Mulher Administradora do CRA-RJ, Yara Maria Guimarães Assis Rezina, também compartilhou a experiência das ações que o Regional tem desenvolvido para promover as profissionais de administração. Ela citou as homenagens que o CRA faz e destacou, ainda, as entrevistas e materiais de comunicação que a TV do CRA-RJ já realizou com e sobre mulheres administradoras e que estão disponíveis no site do Regional.

Propostas

Depois dos cases apresentados, as administradoras começaram a expor sugestões para fortalecer as ações das mulheres no Sistema CFA/CRAs. Um dos pontos mais destacados é a necessidade de expandir o CRA Mulher para os Regionais que ainda não instalaram a comissão feminina em suas bases.

Outra proposta foi voltada para a área de comunicação. Ione Salem reforçou a importância de aproveitar a boa fase das lives em tempo de pandemia para realizar encontros on-line, a fim de discutir os temas pertinentes às mulheres administradoras, inclusive com apoio do CFA. Sua ideia foi ratificada pelas demais participantes e, com apoio da maioria, a conselheira federal foi indicada para ser a representante do grupo junto ao CFA.

A administradora Joice Fabrício, do CRA-PR, sugeriu que as mulheres vissem, como oportunidade, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), já que ela traz uma dimensão de compliance que pode abrir caminhos de atuação para as administradoras. Além disso, a administradora do CRA-DF, Mônica Covas Gama, apresentou a proposta do Observatório da Mulher do DF, iniciativa criada pelo Governo do Distrito Federal cujo objetivo é oferecer uma plataforma com números e informações sobre a realidade das mulheres no DF.

O Observatório aponta dados de áreas como saúde, segurança pública, educação, trabalho, direitos humanos, entre outros. Ele também atende mulheres em situação de violência. Outro objetivo da plataforma é produzir diagnóstico para a implementação e avaliação de políticas públicas voltadas para o público feminino. A sugestão foi bem recebida pelas participantes da reunião e a ideia é usar o Observatório como referência para criar algo semelhante para o Sistema CFA/CRAs.

Por fim, as mulheres discutiram datas para as próximas reuniões e está prevista, ainda, a entrega de uma publicação que visa ensinar a abrir, no Regional, um comitê do CRA Mulher.

Ana Graciele Gonçalves

Assessoria de Comunicação CFA